Vilas produzem energia com adubo natural

v2_img_n6600_8_thumb.jpg

Na vila de Mauenheim, no Sul da Alemanha, o agricultor Ralf Keller tinha um problema com o excesso de desperdícios, pois todos os dias fermenta 10 toneladas de cereais, uma tonelada de milho e quatro toneladas de estrume, o que gera uma energia de dois milhões de kilowatt (KW) por hora. Esta é a quantidade de energia libertada pela sua planta de biogás, ou seja, o equivalente a 180 mil litros de óleo/ano e que podiam ser utilizados para aquecer as casas da vila no Inverno. A fim de utilizar a energia desperdiçada, Keller fez uma parceria com uma empresa local de energia solar, a Solarcomplex, que construiu 2,5 quilómetros de cilindros subterrâneos que transportam agora esta energia aos habitantes de 400 casas para aquecimento. Estes consumidores pagam 4,9 cêntimos por KW, um valor muito mais baixo em comparação com o preço do óleo.

O projecto, aplaudido pelas autoridades locais, é visto como um exemplo para o futuro e uma prova de que é possível técnica e economicamente, a nível local, utilizar desperdícios provenientes da agricultura e transformá-los em energia a baixo custo para os utilizadores. Com o agravamento dos problemas ambientais e o aumento do custo da electricidade, óleo e gás natural, a iniciativa é mais do que bem-vinda.

Este tipo de negócio não beneficia apenas os consumidores, é rentável também para os agricultores. A mais recente lei alemã para as energias renováveis diz que “toda a produção de electricidade proveniente de desperdícios será remunerada com dois cêntimos por KW sempre que for reutilizada” – a lei foi introduzida pelo Governo do ex-chanceler Gerard Schroeder, para encorajar os agricultores a poupar energia.

A pequena cidade de Breuberg, com apenas 150 casas, também optou por este sistema e a partir de 2008 a energia será proveniente de uma planta que usa a madeira como combustível. Já na vila de Jühnde, na Baixa Saxónia, onde vivem 775 pessoas, este tipo de projecto foi tornado realidade com a ajuda de 17 cientistas da universidade de Gottingen.

São inúmeras as pequenas vilas candidatas a este sistema, embora tenham inimigos pela frente. Os poderosos gigantes de energia como a E.on, a RWE ou a Vattenfall já começaram a pensar em soluções para este novo tipo de concorrência.

DN Online

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: