Quercus apresenta onze “buracos negros” da energia

A Quercus apresenta, esta sexta-feira, os onze “buracos negros” da energia em Portugal. O «mito» da energia nuclear, o baixo uso de transportes públicos e uma «péssima» eficiência energética são apenas alguns deles.Para contrabalançar o relançamento da discussão sobre a energia nuclear, a Quercus apresenta, esta sexta-feira, os onze “buracos negros” da energia em Portugal, considerando-os soluções erradas e recorrentes em tempos de crise energética.

O presidente da associação ambientalista aponta, entre os problemas, «o mito da energia nuclear, o facto das grandes barragens corresponderem apenas a 3,3 por cento da energia eléctrica necessária, o facto dos transportes colectivos continuarem a ser ultrapassados pelo transporte individual» e uma «péssima eficiência energética» no país.

Além disso, continuou, constituem “buracos negros” os edifícios continuarem a ser grandes geradores de energia e a microgeração estar a ser desenvolvida de forma muito lenta.

Energias renováveis pouco diversificadas, o facto de a água quente solar não estar a trazer benefícios, o pouco uso da energia das ondas, a existência de uma eco-fiscalidade quase invisível e uma fraca educação ambiental são os restantes “pontos negros”.

Helde Spínola apontou ainda algumas soluções para inverter a situação, como por exemplo «um forte investimento na eficiência energética», um melhor aproveitamento das potencialidades do país em termos de produção de energia e uma «campanha de sensibilização ambiental de âmbito nacional».

TSF

2 comments

  1. eduardo quintas

    O meu dia-a-dia é vender equipamentos para as energias renováveis. O que constato é que começa haver uma crescente aceitação e um renovar de mentalidades da parte dos consumidores na aplicação destas tecnologias.Contudo este mercado começa a ficar inundado pelos chamados “hablidosos” que estragam o mercado com um fraco serviço (sem garantias e certificados de qualidade nos materiais), tendo como trunfo baixissimos preços que estão associados a materiais de qualidade muito duvidosa.Além de qualquer instalador tem que ter o CAP nesta área.
    Torna-se urgente uma fiscalização apertadada por parte das entidades competentes(DGEG), caso contrário este área de trabalho vai degradar- se rapidamente, o que irá criar uma grande desconfiança e cepticismo da parte dos consumidores.

  2. achei muito interessante

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: